CURSO BÁSICO DE SOROBAN TURMA |||

A escola Louis Braille promoverá mais um curso básico de Soroban. O público-alvo são profissionais e estudantes da área de educação. Lembrando que as vagas são limitadas. Mais informações através do e-mail adaptacaomaterial@outlook.com.. O período de inscrição vai do dia 12 a 16 de agosto. O curso começa no dia 23 de agosto e vai até o dia 11 de setembro. A carga horária é de 8 horas. Ele será toda sexta-feira das 8h às 8h45min. A Louis Braille está localizada na rua Andrade Neves nº 3084.

O que é o Soroban

Soroban é o nome dado ao ábaco japonês, que consiste em um instrumento de cálculo surgido na china há cerca de quatro séculos. A escrita em kanji (ideogramas) é idêntica à chinesa, sendo inclusive a pronúncia uma aproximação à original chinesa. Ábaco é o nome genérico atribuído aos contadores em geral. Além dos modelos japonêses antigo e moderno, existem o chinês (suan pan), o romano (abacus), o grego (abax), o azteca (nepohualtzitzin), o russo etc.

O soroban começou como um simples instrumento onde eram registrados valores e realizadas operações de soma e subtração. Posteriormente foram desenvolvidas técnicas de multiplicação e divisão. Atualmente já são conhecidas técnicas para extração de raízes (quadrada e cúbica), trabalho com horas, minutos e segundos, conversão de pesos e medidas. No soroban podemos operar com números inteiros, decimais e negativos.

O objetivo do uso do Soroban é Realizar contas com rapidez e perfeição, buscando alcançar o resultado sem desperdícios. Ele ajuda a desenvolver concentração, atenção, memorização, percepção, coordenação motora e cálculo mental, principalmente porque o praticante é o responsável pelos cálculos, não o instrumento. A prática do soroban possibilita realizar cálculos em meio concreto, aumenta a compreensão dos procedimentos envolvidos e exercita a mente.

Como o soroban chegou ao Brasil.

Imagem de um Soroban.

O soroban chegou ao Brasil com os primeiros imigrantes japoneses, em 1908, para uso próprio. O modelo de então era o de cinco contas, que seria substituido pelo de quatro contas a partir de 1953, com os primeiros imigrantes da era pós-guerra (Segunda Guerra Mundial).

O primeiro divulgador de shuzan, a arte de calcular com o soroban, foi o professor Fukutaro Kato, que em 1958 publicou o primeiro livro do gênero no Brasil: “Soroban pelo Método Moderno”. Prof. Kato também fundou a Associação Cultural de Shuzan do Brasil (ACSB), que organiza campeonatos anuais.

Origens.

As origens primeiras do ábaco remontam a um método de calcular usando sulcos na areia e pequenas pedras. A primeira alteração foi a substituição da areia por uma tábua de argila; a seguir, as contas passaram a ser orientadas por uma haste que as trespassava. O modelo chinês, devido ao sistema de pesos e medidas hexadecimal, possui duas contas na porção superior e cinco na inferior, possibilitando registrar valores de ‘0’ a ’15’ (sistema hexadecimal), em cada coluna. A primeira adaptação feita no Japão para o sistema decimal foi a retirada de uma das contas superiores. Podia-se escrever desde o ‘0’ até o ’10’ em cada ordem, totalizando 11 possíveis valores. Como o Japão utiliza o sistema decimal, apesar da diferença de ordens por classe, foi natural que a quinta conta da porção inferior fosse retirada para a obtenção dos 10 valores, dando origem ao soroban moderno. As informações são do site Bengala Legal.