Youtuber deficiente visual discute acessibilidade e compartilha sua paixão pela música

“Odeiooo quando nos definem com rótulos de superação e heroísmo. Somos pessoas com deficiência. Tem que haver um equilíbrio neste pêndulo.” 

É com essa declaração que a youtuber e deficiente visual Mari Romano chama atenção para a questão de como as pessoas cegas são tratadas por diversas vezes.

Apesar do tom de crítica, a estudante de Jornalismo leva a vida com bom humor, mas sem deixar de lutar por seus direitos. Por ter nascido prematura de seis meses e meio, Mari teve retinopatia, que causou o deslocamento da retina, provocando sua cegueira.

Ela admite que seu crescimento neste sentido foi mais fácil do que para pessoas que perderam a visão ao longo da vida e tiveram que se adaptar à nova condição.

Nas próximas linhas, a jovem de 23 anos nos conta como é sua vida no dia a dia com a falta de acessibilidade que enfrenta em sua cidade natal, Santos, no litoral sul de São Paulo. E, ao mesmo tempo, como é importante o uso da tecnologia em sua rotina.

Estudos

Mari estudou por 16 anos em uma instituição para cegos, que foi onde teve contato com a leitura em Braille, sistema de escrita e leitura para deficientes visuais. Mas também estudou em escola regular e fez curso técnico em informática, onde aprendeu um pouco a programar e também sobre análise de sistemas. No entanto, não gostou desta área.

Nesta época, aos 16 anos, em 2012, já possuía um canal no YouTube, onde abordava assuntos como música, games e Netflix, uma de suas paixões. No início, o foco não era voltado à sua deficiência visual, pois acreditava que não tocar neste assunto era um jeito de todos a tratarem normalmente, sem diferenças.

Fonte: Site Razões Para Acreditar