Aos 2 anos, menina guia os pais com deficiência visual e fica famosa

Mesmo tão nova, ela já entende que os pais têm limitações e orienta os dois nas atividades do cotidiano. A menina transforma em brincadeira atividades como guiar os passos dos pais, direcionar o dedo da mãe na tela do celular e mostrar objetos caídos pelo chão da casa.

Aos 2 anos, menina guia os pais com deficiência visual e fica famosa

A mãe de Ana Clara, a cabeleireira Marlene Mello, tem entre 5 e 10% da visão. Ela consegue ver vultos com cores, mas não tem definição. Marlene perdeu parte da visão por conta de uma hidrocefalia, o acúmulo de líquido no cérebro.

Já o pai da criança, Alex Mello, nasceu com retinose pigmentar, doença em que a retina é danificada. Ele enxerga somente vultos.

O casal se conheceu em um bate-papo na internet e namorou por três meses a distância, ela em Fortaleza e ele em São Carlos, município de São Paulo. Logo depois se casaram.

A menina

Marlene conta que a filha aprendeu a cuidar dos pais desde pequena. “Quando ela tinha uns dez meses, eu a arrumei e falei: ‘filha, mostra para o papai como você está linda’ e fiquei pensando em como ela iria mostrar. Ela pegou a mão dele e foi mostrando o laço, a roupa, o sapato”, afirmou ao G1.

Clarinha é quem guia o pai: “Ela sabe que eu enxergo um pouco e sabe que o pai dela precisa mais do que eu, então ela segura na mão do pai dela”, conta.

História

A gravidez do casal não foi planejada. Inicialmente, os pais ficaram inseguros e receosos, por acharem que não dariam conta. Eles contam que conversavam com a bebê desde a gestação.

“A gente contava para ela, explicava que nós temos deficiência visual, mas que íamos dar o nosso melhor para cuidar dela e que Deus tinha um propósito de ter enviado ela para as nossas vidas”, revela a mãe.

Depois que nasceu, a menina aprendeu a dar os primeiros passos em cima da cama, pelo medo que tinham de ela pegar em tomadas sem eles perceberem. Com 11 meses foi colocada no chão e começou a dar os primeiros passinhos.

Fonte: Notisul