Deficientes visuais reclamam de falta de acessibilidade em terminal de ônibus de Sorocaba

Caminhar, passear e ter uma rotina como qualquer outro é comum para a maioria das pessoas. Mas para quem é portador de deficiência visual o comum torna-se difícil, podendo ser facilitado pela acessibilidade.

Todos os dias cerca de 80 mil pessoas passam pelo Terminal Santo Antônio, o maior de Sorocaba (SP). As orientações visuais ajudam as pessoas a se localizarem, porém quem não conta com o sentido da visão precisa de uma ajuda a mais.

Mais de 100 deficientes visuais são atendidos na Associação Sorocabana de Atividades para Deficientes Visuais (ASAC), que promove passeios para ensinar aos deficientes como andar sozinho pela cidade.

Segundo o especialista em treinamento para cegos Diógenes Batista da Silva, as aulas muitas vezes dão certo e os deficientes se acostumam rápido, mas poderia ser mais fácil.

“Se houvesse piso tátil ajudaria bastante. O braile, avisos sonoros também ajudariam dentro e fora dos ônibus. É importante que haja estas referências para evitar acidentes. A prefeitura sempre fala que as reformas estão no cronograma de obras, mas nós nunca sabemos em que ordem está o terminal, que é um dos pontos críticos. Pedimos semáforos sonoros e pisos pelo menos no centro”, comenta.

Centro de Sorocaba conta com pisos táteis para auxiliar deficientes visuais — Foto: Reprodução/TV TEM

Centro de Sorocaba conta com pisos táteis para auxiliar deficientes visuais — Foto: Reprodução/TV TEM

Por conta de um descolamento de retina, Antônio Marcos Mimi perdeu a visão há cinco anos. Desde então, precisa contar com a solidariedade em muitos momentos para conseguir fazer tarefas simples. A rotina é bem diferente do que ele imaginou ter quando mudou de Piraju (SP) para Sorocaba.

Fonte; TV TEM G1