Câmara de Rio Preto aprova instalação de lombadas eletrônicas

A Câmara de Rio Preto aprovou a legalidade do projeto de lei que prevê a instalação de lombadas eletrônicas nos locais em que estão os radares fixos. A maioria dos vereadores derrubou parecer da Comissão de Justiça contrário a proposta do vereador Jean Dornelas (MDB), que retornará ao plenário para a votação do mérito nas próximas sessões. Um dos objetivos é registrar a velocidade do veículos assim que o motorista passar pelo local.

Jean Charles (MDB) se posicionou contra o projeto do partidário. Ele considerou que a proposta faz uma imposição ao Executivo, o que seria ilegal. “Não é só uma questão de custo”, disse Jean Charles ao afirmar que há interferência na fiscalização do Trânsito, o que não seria prerrogativa da Casa.

Durante a sessão desta terça-feira, 28, o vereador Marco Rillo (Psol) participou utilizando o Skype — que permite a comunicação pela internet através de conexões de voz e vídeo —, já que ele faz parte do grupo de risco — acima dos 60 anos — por conta da pandemia da Covid- 19. O vereador Fábio Marcondes (PL) brincou com o colega se poderia participar da sessão em casa até o final do ano.

O vereador Jorge Menezes (PSD) pediu para adiar, por cinco sessões, projeto que regulamenta o atendimento em clínicas e hospitais particulares. De acordo com Dornelas, autor do projeto, afirmou que o objetivo é reduzir o tempo de espera em ambulatórios dos planos de saúde. Pela proposta o atendimento deve ser feito, no máximo, em 30 minutos.

Vereador Marco Rillo participa de sessão de maneira virtual: proteção contra o coronavírus

Os vereadores também aprovaram projeto de lei que determina aos supermercados, hipermercados e estabelecimentos comerciais que mantenham funcionários para auxiliar as pessoas com deficiência visual durante as compras. O projeto é de José Lagoeiro (DEM) e também deverá ser analisado no mérito nas próxima sessões.

O presidente da Câmara, Paulo Pauléra (PP), conseguiu apoio para projeto que cria Unidades de Urgência em Fisioterapia (UUF) implantadas nas Unidades de Pronto Atendimento (UPAS). Os vereadores também derrubaram parecer da Comissão de Justiça.

Fonte: Diário da Região