Influenciadora com deficiência visual mostra como o emprego do ‘x’ para neutralização de gênero prejudica acessibilidade

Youtuber e dona do canal “Como assim, cega?“, a jornalista Nathalia Santos produz conteúdos diversos sobre as próprias vivências enquanto pessoa com deficiência visual. Em um vídeo recente, a influenciadora explicou com detalhes por que o uso da letra “x” (xis) ou do sinal de “@” (arroba) atrapalham a acessibilidade para quem depende de leitores digitais que traduzem para áudio o que está escrito. A utilização de ambos os elementos costuma aparecer como alternativas para neutralizar o gênero de palavras em português.

Questão identitária para quem não se reconhece dentro dos parâmetros de binariedade de gênero, a neutralização de palavras que fazem diferenciação entre feminino e masculino tem sido uma demanda de setores do movimento LGBTQIA+. Contudo, o uso de letras ou símbolos não-legíveis ou de difícil pronúncia por programas eletrônicos de leitura em voz alta acaba prejudicando outra minoria social.